Gestão de Projeto: A arte de preparar o futuro
Publicada por CRC do CECOA, em 2021-01-05 (há 1 semana)

Desde os primórdios que a sociedade humana tem sido caracterizada pela mudança constante.

De facto, a diferença dos dias de hoje é a dinâmica com que essas transformações ocorrem, muito motivada pela chamada economia dos dados, responsável por uma crescente fatia da riqueza mundial. Curiosamente, e contrariamente às matérias primas tradicionais, os dados são uma matéria prima potencialmente inesgotável, e tão mais valiosa quanto mais abundante e detalhada se vai tornando com o progressivo aumento da capacidade de geração, registo, transmissão e processamento de informação.

Dada a velocidade com que ocorre e a multiplicidade de atores, esta transformação acontece normalmente de forma desordenada e conflituante, torna o ambiente complexo, ambíguo e por isso imprevisível.

Tendo em vista preparar os cidadãos para a complexidade crescente (desde os primórdios da história humana), as sociedades criaram programas de educação e partilha de informação, mais ou menos formais, cuja utilidade e eficácia é facilmente demonstrada pelos resultados espelhados na história das diversas civilizações.

O desafio que se coloca é como preparar gerações cada vez mais informadas e conhecedoras para uma realidade em mudança acelerada. Diria mesmo, em mudança vertiginosa … e caótica.

Figura 1 – Disco rígido de 5MB fabricado pela IBM em 1956.
©https://transformingfinance.eu

Já que falámos na economia centrada nos dados e na informação, tomemos como exemplo a capacidade de armazenamento dos dispositivos informáticos. A foto anexa de 1956 mostra um disco rígido de 5 megabytes, ou seja, com capacidade para armazenar, no máximo, o texto equivalente a dois artigos destes (sem imagens, claro!). Atualmente, 66 anos depois, o mercado oferece soluções para o grande consumo que permitem guardar muitos milhões de vezes este volume de dados na cloud, disponíveis em qualquer lugar, em qualquer altura e de forma absolutamente segura.

É aqui que entra o treino em Gestão de Projeto como competência chave e diferenciadora.

Mas, o que se entende por Gestão de Projeto?

A britânica APM [1] define gestão de projeto como a aplicação de processos, métodos, habilidades, conhecimentos e experiência para atingir objetivos (…).

Ou seja, a Gestão de Projeto é uma competência agregadora que se alicerça na confluência dos conhecimentos formais e informais adquiridos pela pessoa e que os mobiliza em torno de um objetivo a alcançar.

Neste âmbito são comportamentos positivos em torno do foco no desfecho final, da capacidade de fazer acontecer, da determinação, da resiliência e, acima de tudo da gestão do risco e da imprevisibilidade que lhe está associada e que, em conjunto, resultarão na fundamental capacidade de resolução de problemas.

A APOGEP [2] tem como missão “desenvolver a gestão de projeto e apoiar os profissionais e a comunidade através da partilha e reconhecimento de competências e boas práticas”. Neste âmbito, temos vindo a juntar esforços com algumas entidades de referência, onde se inclui o CECOA, para estabelecermos programas de formação e treino que ajudem quer os profissionais já no mercado de trabalho, quer as novas gerações a prepararem-se para gerir a transformação que está a ocorrer de forma competente, alcançando quer os resultados esperados quer os benefícios previstos.

Pedro Engrácia

Presidente da Associação Portuguesa de Gestão de Projetos

[1] APM – Association for Project Management em https://www.apm.org.uk/resources/what-is-project-management/

[2] Associação Portuguesa de Gestão de Projetos. Mais informação em www.apogep.pt