CCP e CECOA
Publicada por Luís Bento, em 2016-03-30 (há 5 anos)

Uma parceria de 30 anos e de continuidade para o futuro.

Em 1986, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, CCP ao subscrever um protocolo com o IEFP para a criação do CECOA – Centro de Formação Profissional para o Comércio e Afins, deu um primeiro contributo para a estruturação de uma formação profissional para o sector do comércio e serviços. O percurso do CECOA ao longo destes 30 anos comprovou ter sido uma aposta certa, não só pelos muitos milhares de horas de formação que o Centro ministrou, mas essencialmente pela qualidade da formação que oferece ao sector do comércio e serviços.

Nestes trinta anos ocorreram mudanças estruturais profundas nas atividades de comércio e serviços. A mais-valia do CECOA foi ter sabido acompanhar esta evolução com novos métodos, novos conteúdos, em síntese com uma formação que procura ir ao encontro das reais necessidades das empresas.

No entanto o desafio do aumento de qualificações, seja de ativos, desempregados ou dos próprios empresários não está ganho. O défice de qualificações dos portugueses continua a ser apontado como uma das causas para a fraca competitividade das empresas nacionais, para a deficiente empregabilidade dos ativos, e para a pobreza dos indicadores estatísticos nacionais. O facto do tecido económico ser constituído predominantemente por empresas de muito pequena e pequena dimensão justificam muitos dos problemas relacionados com o défice de competitividade. Neste sentido, é importante garantir que o CECOA continua a dispor dos recursos suficientes para atuar num universo tão vasto e diversificado como o sector do comércio e dos serviços.

O CECOA tem dado, como não podia deixar de ser, um contributo relevante para as políticas públicas no domínio do emprego e formação profissional; no entanto, os centros protocolares, e muito em particular o CECOA, não podem ser vistos apenas como extensões/instrumentos dessas políticas, sob pena de se esbaterem os motivos que presidiram à sua criação. A virtualidade destes centros, por envolverem entidades públicas e privadas, por disporem de estruturas mais reduzidas, pela proximidade às empresas, está precisamente na sua capacidade de se ajustar para responder mais rapidamente às mudanças.

Finalmente, é justo reconhecer que o CECOA mais do que apenas um centro protocolar, tem-se constituído como um parceiro da CCP no desenvolvimento de múltiplas iniciativas seja ao nível do diagnóstico de necessidades de formação, atualização de perfis, realização de projetos nacionais ou internacionais, para citar apenas alguns exemplos.

Áreas Temáticas
Formação profissional; Comércio